Abadore Muare, o Portal para a sua evolução !
Tinteiro Abadore Muare  - O portal para a sua evolução !   Valid HTML 4.0 Transitional

Principal  | Alimenta tua alma  | Informática  |  Seu espaço  | Ab-Empório  | »Colunas

Vida familiar  | Vida profissional  | A vida em sociedade  | Talí reflete  | »Contos do cotidiano


Contos do Cotidiano

A Guerra dos Pêssegos

Ísio Ribeiro Júnior
O que você faria por um pêssego maduro ?
Até onde iria ?
A que ponto chegaria ?
Sim, o ser humano é mesmo hilário.

    Outro dia combinamos um café da manhã especial no escritório, era um plantão em véspera de feriado. Um ficou encarregado do café, outro do pão, dos frios, e eu, com minha já reconhecida habilidade (transmitida por herança familiar de minha avó, que Deus a tenha em sua bontade), de frutas frescas para o evento.


pessegos

    Nesse dia então cheguei uma hora mais cedo e fui a um mercado próximo (sou exigente com as compras). O problema é que apenas analistas de sistemas e velhas senhoras (aqui, a referência é de puro respeito) vão cedinho ao supermercado comprar frutas em pleno ponto facultativo, enquanto a maioria dos seres humanos normais ainda está, no mínimo, de ressaca.

    Após uma rápida procura, fui ver que frutas estavam boas. Haviam maçãs, damascos e pêssegos. Logo encontrei uma prateleira de pêssegos com uns 4 ou 5 metros de comprimento, mas todos estavam feios, verdes.


    Dediquei os instantes seguintes na busca de uma alternativa, mas logo veio um funcionário do distinto estabelecimento com uma caixa cheia de pêssegos maduros e bonitos. Já viram tudo, a multidão em polvorosa avançou direta e belicosamente sobre eles. Eu não tenho o hábito de ficar entrando na frente de ninguém, acho isso uma tremenda falta de educação,
canhao
mas uma das centro-avantes do time das "Velhas senhoras", exibindo a mais apurada técnica de ataque, tentou colocar seu carrinho de compras entre os pêssegos e o mundo. Mas eu, com as minhas ágeis e contundidas pernas atléticas de analista de sistemas, fui mais rápido e fiquei em frente ao carrinho, garantindo, em conformidade com a ética desportiva, o meu espaço.


    Finalmente iniciou-se a verdadeira contenda entre os dois times. Houve quem usasse de artifícios como xingamentos e cotoveladas (acho que fui o mais atingido).

    O desfecho ? Tenho bons ossos.

Analista de sistemas 2 x 1 Velhas senhoras.

golaco

(Fim de jogo)


    Concluo rendendo as devidas homenagens àquela senhora do carrinho, minha companheira de pódium.
    Aproveito para apresentar minhas humildes excusas pelo incidente, porém esta já não era uma questão de pêssegos, mas uma questão de honra.